terça-feira, 14 de novembro de 2017

AO MEU TIO-AVÔ

José Correia de Lemos
e a sua foto de 1928


Foi um querido tio-avô, casado com a Conceição Mendes Correia de Lemos, uma irmã da minha avó materna, de quem já falei neste blogue.

Guardo destes meus tios as mais ternas recordações. Há poucos dias, estive em Travanca de Lagos (concelho de Oliveira do Hospital) e vi as ruínas da casa que foi deles: nela veio a funcionar um lar de idosos da Fundação Sara Beirão que encerrou para fazerem obras na casa; há poucos dias, ela ardeu e dela agora só restam as paredes. Impressionante! 
E o curioso é que, no dia seguinte, encontrei num monte abandonado de fotografias, uma, aliás rasgada ao meio, mas reconstituível, do meu tio José Correia de Lemos. 
Foi oferecida à sobrinha dele e minha mãe, a quem a família chamava Bita, com a seguinte dedicatória: 
“À Bita, com muita amizade do tio José Correia de Lemos. Travanca 8-8-1928”
Por baixo uma nota onde escreve “Bordo “Monte Olívia” em Janeiro 1928”, obviamente a data em que a fotografia foi tirada, a bordo do navio que o transportaria do Brasil para Portugal. A data 8-8-1928 foi a do dia em que ofereceu a foto; a minha mãe tinha feito 18 anos umas semanas antes, mais precisamente a 15 de julho de 1928.

                           
                Navio Monte Olivia: ver em: http://www.novomilenio.inf.br/rossini/molivia.htm

Tive a curiosidade de ir à Internet procurar o nome do transatlântico em que ele viajou: ele foi emigrante no Brasil, num tempo em que os portugueses iam ao Brasil enriquecer! 
Encontrei a informação que tal barco foi usado entre 1924 e 1945 e fazia a carreira Hamburgo – Lisboa -  Rio de Janeiro – Santos, na melhor das hipóteses, provavelmente uma vez por mês. 

O meu tio aparece sentado, com ar de homem ainda jovem, ou talvez já de 40 anos, calças e casaco de cor clara, camisa branca, sem gravata, mas com lacinho, moda aristocrática daquele tempo. 

Faltavam décadas até haver carreiras aéreas diárias cruzando o Atlântico numa rotina que se tornou banal.

Ainda conheci este tio, quando, já de certa idade, veio a acabar os seus dias em Travanca, ao lado da sua esposa. Gostei dele. 
Viveu ainda bastantes anos, embora com doenças que o debilitaram, como tromboses, problemas de rins, de circulação e de coração: aliás o meu pai, entre outros médicos, também o foi tratando.

Presto-lhe aqui uma homenagem de amizade e saudade. E ao vê-lo viajando a bordo de um navio, não me posso impedir de meditar no que pensarão, daqui a noventa anos, os que virem fotos nossas tiradas agora…
 Coimbra, 2017-11-09

domingo, 15 de outubro de 2017

MY TALK

COSMOS


This is the talk I gave on October 13, 2017 at the Humbold-Kolleg Cosmos meeting. A list of relevant books follows at the end, plus a Portuguese version of the whole text.

Ladies and Gentlemen,

My first words are to thank the organizers of this meeting for their kind invitation, with a special mention to Soraya Nour Sckell, Ph.D. for her availability whenever I felt in need of any help.

I gave as a title for this talk ‘Mathematics and Logic versus Philosophy and Religions’. I was not thinking of an antagonistic face to face but of a friendly partnership among all these areas. Let me mention some of my feelings about this topic.

First of all, let me emphasize the permanency of mathematical results. This is an obvious aspect when we compare Mathematics with Arts and Humanities or with other Sciences and Technologies.

Think of Painting: contemporary painters do not work as their colleagues in the Leonard da Vinci era or during the pre-historic times when they painted the walls of their caves! Think of Fashion Design: can we compare what was considered as beautiful dresses by XIX century ladies with the ragged jeans of today? Even in Poetry, today’s poets write without rime and metrics, in a way such that nobody understands what they mean, aleatoric sequences of words which only their friends can understand. Is this normal? Yes, Arts evolve by replacement. And most Sciences and Technologies, although they keep part of what they have achieved, they also keep moving forward by replacing what they have: would you work with a computer as they were 50 years ago? Would you trust your dentist if the anesthetics he or she uses were the same used in 1800? Some things are kept but most of them are replaced. In Mathematics, the Pythagorean theorem remains as true as it was two millenniums ago and the list of the 20 first prime numbers was known many centuries ago and we still keep them; of course, we have a much longer list of prime numbers. This is a typical situation in Mathematics: we grow mostly by addition, very little by replacement.

Here is the first point in common with Philosophy: there are fundamental ideas in Philosophy that remain true for thousands of years. Socrates said: “The only thing I know is that I know nothing.” It remains true, centuries later! Confucius told us: “Don’t do unto others what you don’t want them to do to you.” It is still a good advice! Matthew [10:26], Marcus [4:22] and Lucas [8:17], in a moment which can be understood as directed to scientists, all three told us: “There is nothing hidden that will not be brought to light.” We can repeat this statement feeling that it is true. I also like to mention the legendary episode between Joseph and the Pharaoh: Joseph had been sent to lead a legion of slaves who were building a mausoleum for the Pharaoh. The slaves were starving and dying, all of them were too weak to work. Joseph gave them the wheat kept for the gods, they got new strengths, Joseph prompted them to work and they finished the mausoleum. But the Pharaoh asked Joseph: Is it true that you gave the wheat of the gods to the slaves? Joseph’s answer remains impressive today: “Your mausoleum is finished! The slaves under my leadership worked hard! But remember: Strong people do a lot, weak people do just a little and dead people do nothing at all.” Four or five thousand years later, at the beginning of the XX century, the pioneer car builder Henry Ford called the business men of his time and told them: Let us pay more to the workers in our plants: I think that if they become economically stronger, they will buy the products that come out of our plants and we too, we gain more. His colleagues agreed. Capitalism was dying and it survived. The idea was the same as Joseph’s idea! And this principle keeps true to our time… although some contemporary decision makers quite often forget it.

This permanency in Mathematics and in Philosophy is a first parallelism between both areas.

I promised to emphasize Religions. I remember a respected opinion repeated by many authors, that there is a fundamental difference between Science and Religion: they say that Science makes use mainly of reason and Religion makes use mainly of faith. I disagree: in my opinion, Science is also based on faith, this means, on beliefs that cannot be proved. Look at Mathematics: we start always from a set of axioms: they are statements we cannot prove, we believe in them, we have faith in them. They play exactly the same role as the dogmas of most religions. People believe in them but they cannot prove them! Using axioms in Mathematics we build theories, using dogmas in Religion, we build the fundamental ideas that constitute them!

And now what can we say about the contradictions and paradoxes of Religions? Since we are in a space traditionally under the influence of a Jewish and Christian background, let us recall the concept of a God who is infinitely good but allows us to suffer, who is infinitely ready to forgive but who sends our souls into Hell when we commit a sin against His laws!

Look that paradoxes also exist in Science: to avoid speaking only about Mathematics, let me mention the contradiction between Thermodynamics when it tells us that everything in the world tends to become less complex and Biology when it tells us that living beings have become more and more complex along the evolution from the first bacteria to us, human beings. Recall also the beliefs of other scientific fields which are obviously contradictory. For instance, in Cosmology, shall we take as true that the speed of light was always the same? When we refer to galaxies which are at a distance, measured in light-years, almost as big as the age of the Universe, it is difficult to believe that the speed of light never changed. Since the Universe is expanding, when light was emitted from such a distant galaxy, this galaxy and ours were nearer than they are today. These galaxies are moving away from each other; if light took so much time to reach us, then its speed cannot be much bigger than the speed at which the galaxies have departed. But according to all calculations, it is really much bigger! This is a stumbling block when we try to understand the whole theory.

I recognize that I am no expert in these fields: Thermodynamics, Biology, Cosmology, Physics... Shall I remain silent? I am not passing knowledge to you, I am just passing my feelings. I never forget the graffiti I once read on a wall of the Oxford University campus: “You don’t need a Ph.D. in Meteorology to go out and check whether it’s raining!”

Going back to scientific fields I am more familiar with, say Logic, recall the contributions by Gödel and his contemporaries. They showed us that paradoxes exist in Mathematics: starting from a non-trivial system of axioms, we can always reach statements which are true but their negation is also true. And we get statements whose truth or falsity we will never be able to prove, called undecidable statements. The same happens in the Philosophy of Religions. Whether we have a soul is undecidable, even whether God exists, is undecidable.

What about terminology? The concept of an absolute thing is familiar to mystical people; in Mathematics we believe as an absolute truth that two plus two is four, but otherwise, as already pointed out, we avoid using this word. Is the concept largely used in Philosophy?

Think now about the concept of infinity. In Mathematics, we know that there is an infinite sequence of infinities, each one bigger than the preceding one. For believers of several Religions, God has also several infinite pre-rogatives: perhaps the infinite goodness of God is not “of the same size” of His infinite ability to forgive, a quid pro quo which may explain the above mentioned paradox of an infinitely good God willing to send souls to Hell for eternal punishment.

Similar thoughts may be given to the concept of Eternity. Religions have a deep feeling about Eternity. And Science? We study time and we argue about it. To Newton’s contemporaries, everything about time seemed obvious; but Einstein made things very much complicated. Science fiction movies make use of this situation. I don’t like such movies, but I can’t avoid believing that, some time in the future, we’ll be able to travel, back and forth, along the time dimension of the Universe; which means Eternity will doubtless become a topic for scientific research. Here another partnership between Science and Religion.

I want to tell you now that I am a believer in God although I do not belong to any Religion. In the Judaic and Christian tradition, the warning of God to Adam that he would sweat to get his bread is generally seen as a punishment. I don’t see it like that, but rather as a privilege, an honour, given by God to Mankind: maybe the Genesis’ writer might have added a comment by God telling Adam: “while working to get your bread, you are collaborating with Me”. And such collaboration is even more clearly visible in the work of scientists. See the following legend.

Think of the concept of a miracle. A few decades before Gutenberg, a monk was facing the task of copying a book with 500 pages. It would take him 5 months to finish the work and, in his prayers, he asked God for a possible miracle: “If you would help me, oh God, I would be able to finish this job in 5 weeks!” In the following night, while sleeping, he saw God who answered his prayer telling him that he would not see such a miracle, but inspiring him to do his work because with the knowledge in that book and the future developments obtained by people who would read and further research the contents of the book, the miracle he wanted would happen. “You won’t see such a miracle in your life, but in the future it will happen”, said God. And it has already happened. God taught us, I mean, He helped us to learn how to do this miracle: with a few touches in our computers, we copy a 500 hundred pages book not in 5 weeks, not in 5 days, not in 5 hours, not in 5 minutes… but in little more than 5 seconds.

It is when thinking about these miracles, that I feel most able to understand the face to face of Science and Religions.

It surprises me that the so-called general public is not aware of the basic facts I have mentioned in this talk: the point is that these topics, as well as others very near these ones, have been treated by many authors. I’ll give now a list of books which have impressed me. Just a special reference to Th. Moreux who presents in his book, written in French, several ideas I completely agree with. The title of his book, in two volumes, published by Gaston Doin, Paris, 1923 e 1925, is “Les confins de la Science et de la Foi”. [See the bibliography given below, where most of the titles are translated into Portuguese, although the original versions of these books are in foreign languages. Obviously, my own book “Convicções e Ceticismos” also belongs to the list!].

Thank you for listening to my talk!



BIBLIOGRAPHY

Fred Adams and Greg Laughlin: As cinco idades do Universo, a Física da Eternidade, Publicações Europa-América, Mem-Martins, 2002.

António Manuel Baptista: O discurso pós-moderno contra a Ciência, Gradiva, 2002.

Rémy Chauvin: O Darwinismo ou o Fim de um Mito, Instituto Piaget, 1999.

Deepak Chopra e Leonard Mlodinow: Guerra entre dois Mundos: Ciência vs Espiritualidade, Estrela Polar Editora, 2012.

Manuel Curado: Introdução, in: Deus na Universidade: o que pensam os universitários portugueses sobre Deus?,  Fronteira do Caos Editores, Porto, 2011.

Charles Darwin: Sobre a Selecção Natural (Tradução de Susana Almeida), Coisas de Ler Edições, Almargem do Bispo, 2007.

Paul Davies: Deus e a nova Física (Tradução de Vítor Ribeiro), Edições 70 Lda., 2000.

Richard Dawkins: O gene Egoísta, 1977.

Jorge Dias de Deus: Da crítica da Ciência à negação da Ciência, Gradiva, 2003.

Mehdi Golshani: Can Science dispense with Religion? Institut for Humanities and Cultural Studies, Tehran, 1998.

Loren Graham and Jean-Michel Kantor: Naming Infinity: A true story of religious mysticism and mathematical creativity, Bellknap Press of Harvard University Press, 2009.

Jean Guitton: L’Absurde et le mystère: ce que j’ai dit à François Mitterrand, Desclée de Brower / Flammarion, Paris, 1997.

Michio Kaku: A Física do Impossível (Tradução de Luís Leitão), Editorial Bizâncio, Lisboa, 2008

Lucas [12:2 e 8:17], Marcos [4:22], Mateus [10:26]: Evangelhos

Maurice de Maeterlinck: L’autre Monde ou le Cadran Stellaire, Fasquelle Éditeurs, Paris, 1942.

Alister McGrath: O Deus de Dawkins, Alêtheia Editores, Lisboa, 2005.

João Maria Mendes, blogue : janusonline.pt/2008/2008_4_1_1.html

Abade Th. Moreux: Les confins de la Science et de la Foi (2 volumes), Editora Gaston Doin, Paris, 1923 e 1925.

Robert Osserman: Poesia do Universo : uma exploração matemática do cosmos, Difusão Cultural, Lisboa, 1995.

João Ramalho-Santos e André Caetano: Uma Aventura Estaminal, Imprensa da Universidade de Coimbra e Centro de Neurociências e Biologia Celular, Coimbra, 2013.

Padre Nuno Santos: Troquemos o Instante pelo Eterno, in: Revista Mensageiro de Santo António, Ano 28, N.º 4, abril de 2012.

J. M. S. Simões-Pereira: Convicções e Ceticismos, Editora Luz da Vida, Coimbra, 2014.

Joseph E. Stiglitz: O Preço da Desigualdade, Bertrand Editora, 2013.

Frank J. Tipler: A Física da Imortalidade, Editorial Bizâncio, Lisboa, 2013.

Simone Weil: Carta a um Homem Religioso, Ariadne Editora, Coimbra, 2003.




Segue-se a versão em Português da minha comunicação feita a 13 de outubro de 2017 no encontro “Humboldt-Kolleg Cosmos” realizado no Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Minhas Senhoras e meus Senhores:

Uma primeira palavra para agradecer aos organizadores, na pessoa da Doutora Soraya Nour Sckell, o convite que me fizeram para participar neste evento.

Dei como tema destas minhas palavras “Matemática e Lógica versus Filosofia e Religiões”. Não pensei num frente a frente conflituoso; pensei sim em contemplação, e mesmo parceria entre estas áreas.

Para começar, costumo referir a permanência da Matemática em oposição às outras Ciências e Artes: sabemos que as Artes avançam por substituição. Na Pintura, acaso os pintores contemporâneos pintam como os do Renascimento ou como os primitivos pré-históricos que pintaram as paredes das cavernas onde viveram? Na Moda, o bom gosto das damas do século XIX, no que respeita a vestuário, calçado ou penteados acaso se mantém? E a Poesia ainda exige rima e métrica? Os poetas de hoje escrevem sequências aleatórias de palavras que só os amigos deles entendem! Quanto às Ciências e Tecnologias, elas progridem por adição e substituição, mas mais por substituição que por adição: a roda é uma tecnologia que, milénios depois da sua invenção, ainda não foi substituída, mas é exceção; por certo não usamos os computadores que eram modernos há 50 anos; e não aceitaríamos que o nosso dentista usasse os anestésicos de 1800. Quanto à Matemática, ela progride essencialmente por adição: o teorema de Pitágoras continua válido milénios depois de ter sido descoberto; ainda não foi nem vai ser substituído por outro! A lista dos primeiros 50 números primos já era conhecida há 2 milénios; hoje conhecem-se muitos mais, mas os que os antigos conheciam continuam a figurar na lista!

E aqui temos o primeiro paralelismo com a Filosofia, quanto a algumas das suas afirmações fundamentais: acaso deixou de ser válido o desabafo de Sócrates “Sei apenas que não sei nada”? Ou a recomendação de Confúcio “Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti”? Ou a previsão de Mateus [10:26], Marcos [4:22] e Lucas [8:17] talvez dirigida a cientistas: “Nada há oculto que não venha a ser revelado nem escondido que não venha a ser trazido à luz”? E a possivelmente lendária resposta que José deu ao Faraó quando este o interpelou por ter alimentado os escravos com o trigo dos deuses: “Fica sabendo que os fortes fazem muito, os fracos fazem pouco e os mortos não fazem nada”. Foi com esta filosofia que Henri Ford, o célebre construtor de automóveis, salvou o capitalismo no início do século XX, ao propor aos empresários do seu tempo a subida dos salários dos trabalhadores. Ele argumentou que se eles ganhassem mais, teriam mais dinheiro para comprarem os produtos que saíam das fábricas. É verdade ainda hoje… embora muitos líderes atuais o ignorem.

Eu prometi dar ênfase ao pensamento das Religiões. Recordo-me de uma afirmação de um autor prestigiado que apontava uma diferença entre Ciência, que nasce da razão, e Religião, que nasce da fé. Discordo da existência de uma tal diferença. A Ciência também nasce da fé, de acreditarmos em afirmações que não podemos provar: são os axiomas, base das mais fundamentais áreas da Matemática, que têm o papel dos dogmas fundamentais das Religiões. Nós acreditamos que os axiomas são verdadeiros, temos fé neles, mas não o podemos provar. Exatamente como os dogmas!

E os paradoxos da Religião? Por estarmos num país de tradição cristã, lembro a contradição entre um Deus infinitamente bom e a existência de sofrimento humano em vida, ou a condenação eterna dos que infringiram alguma vez a lei divina. Mas paradoxos, também me parece que os há na Ciência: para não referir só a Matemática, penso na contradição entre a Termodinâmica quando afirma que tudo tende a simplificar-se, e a Biologia que afirma ser a evolução das espécies vivas claramente marcada por uma transformação de seres muito simples em outros muito mais complexos. Mencionemos também a crença em ideias básicas de outras Ciências, apesar de se contradizerem. Um exemplo será, na Cosmologia, a constância da velocidade da luz. Não teria variado desde que o Mundo é Mundo? É que, quando falamos de galáxias que estão distantes de nós quase tantos anos-luz como a idade do Universo, não é fácil compreender que a luz tenha tido sempre a mesma velocidade: sendo que o Universo está em expansão, ao partir da sua fonte, essa fonte estava muito mais próxima da galáxia a que pertencemos e portanto, a menos que a expansão se realize a uma velocidade próxima da velocidade da luz, esta já nos teria alcançado. E a este respeito do que me parecem ser afirmações paradoxais destas Ciências, reconheço não ser especialista nas respetivas áreas: não são minutos de sabedoria que vos transmito, mas sim minutos de sensibilidade. Não esqueço o grafiti que li um dia numa parede da Universidade de Oxford: “Não é preciso ter um doutoramento em Meteorologia para ir à rua ver se está a chover”.

Voltando a áreas mais próximas do meu trabalho, a Lógica, pela intervenção de Gödel e seus contemporâneos, veio mostrar-nos que os paradoxos existem, até em teorias matemáticas: partindo de um sistema não trivial de axiomas, podemos sempre chegar a afirmações que são verdadeiras e cuja negação também é verdadeira. E há ainda o indecidível: afirmações acerca das quais nunca poderemos provar se são verdadeiras ou falsas. Não acontece o mesmo quando a Filosofia encara as Religiões? Deus existirá ou não? Nós teremos uma alma ou não? São perguntas com resposta indecidível.

E a terminologia? Habituámo-nos a dizer que é absolutamente certo 2 mais 2 serem 4. Aqui, estou de acordo! Ora o Absoluto, escrito com maiúscula, obceca-nos a todos, mas como antes já afirmei, ele não existe na Matemática. Existirá na Filosofia? Os místicos acreditam que sim, mas talvez só eles! E o infinito? Na Matemática lidamos com ele todos os dias e até sabemos que há uma sequência infinita de infinitos, cada um deles “maior” que o anterior! Infinitas também serão várias prerrogativas de Deus, para os crentes de numerosas religiões. Acrescentarei ao que já disse, que talvez a infinidade da bondade de Deus não seja igual à infinidade da sua capacidade de perdoar, o que explicaria o paradoxo que mencionei do castigo eterno aplicado por Deus a quem cometeu uma pequena falta.

Poderia fazer considerações análogas sobre o conceito de Eternidade. A Filosofia, especificamente, as Religiões têm um sentido profundo de Eternidade. E a Ciência? A Ciência encara e estuda o tempo e polemiza sobre ele. Se tudo parecia evidente aos contemporâneos de Newton, tudo se tornou intrincadíssimo com as teorias de Einstein. A ficção científica aproveita-se da atual situação. Não querendo alinhar com a imaginação desta última, não me impeço de pensar que a Tecnologia do futuro nos permitirá viajar no tempo; e quando isso acontecer, a Eternidade ficará sendo um tema de estudo da Ciência. Quer dizer, mais uma parceria entre Ciência e Religião.

Para mim, que sou um homem crente mas não pertenço a nenhuma religião, a Ciência e as Religiões não se devem antagonizar. Na tradição judaica e cristã, o aviso de Deus a Adão e Eva “Comerás o pão com o suor do teu rosto” é interpretado como um castigo. Na minha maneira de ver, pelo contrário é uma honra que Deus concedeu ao homem pois subentendo o pensamento divino: “Ao trabalhares para obteres o teu pão, estarás a colaborar comigo.” E esta colaboração é ainda mais visível no trabalho científico.

Lembro o conceito de milagre. No tempo anterior a Gutemberg, um copista estava iniciando a cópia de um livro com 500 laudas, um trabalho para 5 meses, e invocou Deus “Se me ajudasses com um milagre, eu copiaria este livro em 5 semanas!” Na noite seguinte, enquanto dormia, o copista sonhou que Deus lhe respondeu: “Não verás esse milagre na tua vida, mas faz o teu trabalho e os vindouros, com os conhecimentos que tu vais copiando e outros que eles desenvolverão, vão assistir a esse milagre”. Efetivamente, hoje não precisamos de 5 semanas, nem de 5 dias, nem de 5 horas, nem de 5 minutos… mas sim de uns 5 segundos para copiar 500 páginas com uns toques leves nos botões do nosso computador. Deus ensinou-nos, ou permitiu que descobríssemos, como fazer um tal milagre. E é quando penso nestes milagres que sinto, com toda a força, a parceria entre Ciência e Religiões.

Surpreende-me que o chamado grande público não conheça o essencial do que acabo de vos dizer. São temas, exatamente estes e outros muito próximos, que têm sido abordados por muitos autores.

Um dos livros que descobri recentemente e muito me impressionou foi o do Abade Th. Moreux, que apresenta algumas ideias com as quais me identifico quase completamente. O seu livro foi publicado há quase um século; intitula-se “Les confins de la Science et de la Foi” (2 volumes), editora: Gaston Doin, Paris, 1923 e 1925. Outros autores, alguns bem recentes, que tive ocasião de ler, serão Fred Adams and Greg Laughlin,  António Manuel Baptista, Rémy Chauvin, Deepak Chopra e Leonard Mlodinow, Manuel Curado e convidados no volume “Deus na Universidade” que ele co-organizou, Charles Darwin, Paul Davies, Richard Dawkins, Jorge Dias de Deus, Mehdi Golshani, Loren Graham e Jean-Michel Kantor, Jean Guitton, Michio Kaku, os evangelistas Lucas, Marcus e Mateus, Maurice de Maeterlinck, Alister McGrath, João Maria Mendes (bloguista), Robert Osserman, João Ramalho-Santos e André Caetano, Padre Nuno Santos, Joseph E. Stiglitz, Frank J. Tipler, Simone Weil.

E também me cito a mim, ao meu livro “Convicções e Ceticismos” Editora Luz da Vida, Coimbra, 2014, onde trato com mais detalhe os tópicos que vos referi.

Termino agradecendo a vossa atenção!


BIBLIOGRAFIA = LIVROS QUE ME IMPRESSIONARAM

Fred Adams and Greg Laughlin: As cinco idades do Universo, a Física da Eternidade, Publicações Europa-América, Mem-Martins, 2002.

António Manuel Baptista: O discurso pós-moderno contra a Ciência, Gradiva, 2002.

Rémy Chauvin: O Darwinismo ou o Fim de um Mito, Instituto Piaget, 1999.

Deepak Chopra e Leonard Mlodinow: Guerra entre dois Mundos: Ciência vs Espiritualidade, Estrela Polar Editora, 2012.

Manuel Curado: Introdução, in: Deus na Universidade: o que pensam os universitários portugueses sobre Deus?,  Fronteira do Caos Editores, Porto, 2011.

Charles Darwin: Sobre a Selecção Natural (Tradução de Susana Almeida), Coisas de Ler Edições, Almargem do Bispo, 2007.

Paul Davies: Deus e a nova Física (Tradução de Vítor Ribeiro), Edições 70 Lda., 2000.

Richard Dawkins: O gene Egoísta, 1977.

Jorge Dias de Deus: Da crítica da Ciência à negação da Ciência, Gradiva, 2003.

Mehdi Golshani: Can Science dispense with Religion? Institut for Humanities and Cultural Studies, Tehran,  1998.

Loren Graham and Jean-Michel Kantor: Naming Infinity: A true story of religious mysticism and mathematical creativity, Bellknap Press of Harvard University Press, 2009.

Jean Guitton: L’Absurde et le mystère: ce que j’ai dit à François Mitterrand, Desclée de Brower / Flammarion, Paris, 1997.

Michio Kaku: A Física do Impossível (Tradução de Luís Leitão), Editorial Bizâncio, Lisboa, 2008

Lucas [12:2 e 8:17], Marcos [4:22], Mateus [10:26]: Evangelhos

Maurice de Maeterlinck: L’autre Monde ou le Cadran Stellaire, Fasquelle Éditeurs, Paris, 1942.

Alister McGrath: O Deus de Dawkins, Alêtheia Editores, Lisboa, 2005.

João Maria Mendes, blogue : janusonline.pt/2008/2008_4_1_1.html

Abade Th. Moreux: Les confins de la Science et de la Foi (2 volumes), Editora Gaston Doin, Paris, 1923 e 1925.

Robert Osserman: Poesia do Universo : uma exploração matemática do cosmos, Difusão Cultural, Lisboa, 1995.

João Ramalho-Santos e André Caetano: Uma Aventura Estaminal, Imprensa da Universidade de Coimbra e Centro de Neurociências e Biologia Celular, Coimbra, 2013.

Padre Nuno Santos: Troquemos o Instante pelo Eterno, in: Revista Mensageiro de Santo António, Ano 28, N.º 4, abril de 2012.

J. M. S. Simões-Pereira: Convicções e Ceticismos, Editora Luz da Vida, Coimbra, 2014.

Joseph E. Stiglitz: O Preço da Desigualdade, Bertrand Editora, 2013.

Frank J. Tipler: A Física da Imortalidade, Editorial Bizâncio, Lisboa, 2013.

Simone Weil: Carta a um Homem Religioso, Ariadne Editora, Coimbra, 2003.




domingo, 6 de agosto de 2017

O NOSSO COLABORADOR

JÚLIO CORREIA FORTUNATO



Foi ontem, 3 de agosto de 2017, que voltei a entrar no que foi a Quinta dos Cedros, herança do meu avô paterno mas com este nome escolhido pela minha mãe, em Vendas de Ceira, próximo de Coimbra. 

E tu, meu caro Júlio, tinhas de reaparecer na minha memória: foste o último guardião, verdadeiro cuidador, do que foi aquela bela quinta, para a qual também contribuí sugerindo a plantação de dois ciprestes que ainda lá continuam, exibindo a sua elegância de árvores altas e esguias. 

Há quem as associe a cemitérios mas à nossa família não trouxeram morte, pelo menos nos 20 anos que se seguiram à sua plantação… Todos os dias, meu prezado amigo, vinhas, a pé, da tua casa nos Braçais até à nossa quinta, uns três ou quatro quilómetros; talvez esse exercício físico, conjugado com o trabalho dos teus músculos na agricultura, tenha mantido a tua saúde e prolongado a tua vida.

Olhando a velha casa da quinta, já há muito tempo eu vejo o seu telhado ameaçando ruína; agora emprestada gratuitamente a uma senhora conhecida, natural da aldeia, eu já lá tinha entrado e visto como peças valiosas de mobiliário tinham desaparecido, desde o enorme relógio de pêndulo que em Inglês se diria um grand-father’s clock, até aos dois enormes armários sobrepostos da sala de jantar com o topo do superior encostado ao teto, enfim o arquivo do escritório onde tantos antigos documentos se guardavam.

E na cave, havia uma marquesa ginecológica, vinda do consultório do meu pai, que talvez por ser metálica (e o metal vende-se a peso) também sumiu, substituída agora por um colchão onde vem dormir - quem sabe? - algum vagabundo… embora me afirmem que não há sem abrigos nas redondezas. 

A porta da cave não se fecha… e, no cimo da quinta, há um portão que também não se fecha.

Tentei ontem percorrer a quinta; ela está agora, em todos os sentidos, impenetrável. Irreconhecível! Até o antigo galinheiro me pareceu, à primeira vista, um muro que dantes não existia. Impressiona! 

É um modelo de floresta virgem, um mundo de silvas, onde os antigos caminhos que a atravessavam em todas as direções desapareceram, apenas nalguns pontos dispersos ainda vemos os restos de uma ou outra linha de tijolos que os delimitava.

Meu caro Júlio, tu tinhas amor àquela quinta, tu fazias tudo para manter o terreno impecável, todos os bocadinhos estavam aproveitados; e aqueles seus três poços, tinham todos água. No que fica na zona superior da quinta, a máquina que trazia a água lá do fundo estava preparada para ser movida por um jumento que andava à roda do poço. No teu tempo, Júlio, já não havia jumento para puxar a água e, se bem me recordo, já não se utilizava a água desse poço! Mas o muro em círculo ao redor ainda hoje lá está. 

E há algures uma pintura (ou fotografia?) onde se via a minha avó paterna encostada ao muro, juntamente com o meu pai.

Havia um segundo poço a meio da quinta, este sem qualquer resguardo, só rodeado por uma pequena sebe; era mesmo um perigo para crianças imprudentes, mas, felizmente, nunca houve qualquer acidente.

Enfim o terceiro poço era o mais próximo da habitação, a água que se aproveitava era erguida por uma bomba elétrica, armazenava-se num tanque ali mesmo ao lado, e a boca do poço estava, e continua a estar, tapada por uma placa de cimento; para evitar o perigo de alguém cair lá dentro! 
Quanto ao tanque, tinha sempre água límpida: regavas os terrenos próximos com aquela água e ias varrendo o fundo do tanque de vez em quando para o manter limpo. Tanto mais que havia bambus e árvores ao redor, das quais caíam folhas.

Todas as semanas, eu te visitava. Era uma rotina. Pagava-te o trabalho da semana e despesas que houvesse, recebia algum dinheiro de coisas que vendias, hoje uns litros de vinho, ontem umas alfaces, conversávamos um pouco… E havia uma vizinha que guardava ovos para nós: a minha mãe não confiava muito nos ovos comprados no mercado ou mercearias – a ASAE ainda não existia – por isso ela preferia consumir os que lhe fornecia a vizinha, por serem de mais confiança. E tu ias à vizinha buscar os ovos e levar o dinheiro para lhos pagar, claro!

Um dia adoeceste. O prognóstico era grave mas tu recusaste qualquer intervenção terapêutica. Realmente, ainda continuaste a trabalhar com o ânimo de sempre. Creio que durante vários anos. Por fim, um dia, as forças falharam de vez… e não mais voltaste à quinta. 

Eu continuei a ir visitar-te à tua casa, nos Braçais, e a levar-te a semanada; não é que tu precisasses dela; é justo acrescentar que tu recebias já há tempos uma pequena mas condigna reforma da Segurança Social! Mas eu quis que sentisses que a tua presença neste mundo mantinha para mim o mesmo valor; por isso continuei a levar-te a semanada! No fundo era como se te pagasse essa tua presença no mundo. 

Quando enfim partiste para não voltares, nem à nossa quinta nem à tua casa em Braçais, senti a tua falta; e ainda hoje a sinto.


Meu caro Júlio: 
- Que exista o Paraíso e te sintas feliz nele, como creio que te sentias na nossa quinta!

                                              


Figueira da Foz, 5 de agosto de 2017

terça-feira, 4 de julho de 2017

Vitoria da minha Luz


A GREAT ACHIEVEMENT:
PUBLISHING A BOOK IN THE USA!

Let us say it squarely! June 26, 2017 is a day to remain historical for my Wife, Luz Compasso, and also for me.

I felt extremely happy when she got the news that a publisher in the USA had accepted and will print and distribute one of her books. It is the first book that she gets published in the USA. It is going to be the English version of one of her oracular books, the one with the English title “SOS – Give me a compass”. The title of the Portuguese original is “SOS – Bússola”. Here I should point out that she did not want to try to publish this book because, in her opinion, this book is less interesting  than others she had already published. I feel part of her achievement because I insisted with her to submit the book to the publishers.



The publisher is the Dorrance Publishing Company, established in 1920, a very experienced publisher in presenting new authors, with headquarters in Pittsburgh, Pennsylvania.



E SE LHE CUSTA LER INGLÊS, AQUI TEM A TRADUÇÃO:



UMA GRANDE VITÓRIA:

PUBLICAR O PRIMEIRO LIVRO NOS EUA!

Vamos dizê-lo sem rodeios! O dia 26 de junho de 2017, é um dia para ficar histórico para minha Esposa, Luz Compasso, e também para mim.

Senti-me extremamente feliz quando ela recebeu a notícia que uma editora americana aceitou e vai publicar e distribuir um dos seus livros. É o primeiro livro que ela publica nos EUA. É a versão inglesa de um dos seus livros oraculares, aquele que em Inglês tem por título “SOS – Give me a Compass”. O título do original Português é “SOS – Bússola”. Aqui tenho de sublinhar que ela não queria tentar publicar este livro porque, na opinião dela, este é menos interessante que os seus outros livros. Eu sinto-me parte desta vitória porque insisti com ela para submeter o livro às editoras. 

A editora americana é a Dorrance Publishing Company, fundada em 1920, com longa experiência no lançamento de novos autores. Tem a sua sede em Pittsburgh, na Pensilvânia.

domingo, 2 de julho de 2017

OBSERVANDO O UNIVERSO



EU, ABAIXO-ASSINADO!




Era com estas palavras que começavam antigamente muitos documentos oficiais, especialmente aqueles em que um cidadão requeria fosse o que fosse a uma qualquer autoridade. Antes disso, a humilhação auto infligida pela linguagem usada ainda era mais intensa: dizia-se que o “suplicante… rogava a Sua Majestade uma qualquer mercê”… o que obviamente revelava a extensão, à esfera que hoje chamamos laica, da religiosidade de um povo que se tinha habituado a “suplicar” aos santos da sua devoção um milagre profundamente desejado.


Como homem crente em Deus, mantenho todo o respeito pelas mais diversas fórmulas religiosas, e, como cidadão que se habituou a cumprir – embora também a discutir – as leis vigentes, mantenho paralelamente o respeito pela autoridade civil. Mas o meu “abaixo-assinado” nada mais significa hoje que aquilo que aí se diz: que vou assinar no fundo (ou em baixo) para vos atestar que o que digo é a verdade!


Não guardarei privacidade em vos dizer que nasci a 7 de dezembro de 1941, em Coimbra, numa clínica a que todos chamavam “Casa de Saúde da Sofia”; ainda hoje existe no mesmo edifício na Rua da Sofia!


A data, sempre que a evocava nos EUA, fazia logo recordar o que para aquele país fora um dia terrível: foi o dia em que o Japão, sem prévia declaração de guerra, atacou a armada norte-americana no Porto das Pérolas (Pearl Harbor) na Costa do Pacífico: um ato que levou o governo estado-unidense a decidir entrar imediatamente na Segunda Guerra Mundial.

Vivi o meu tempo de bebé de berço durante os anos do conflito. Recordo dois momentos curiosos, passados poucos anos mais tarde. Num deles, alguém comentou, numa linguagem simbólica, que um determinado país quereria forçar Portugal a entrar no conflito e, para isso, “já tinha lançado a isca”. O que me aterrorizou! E andei muito tempo a espreitar pelas janelas da casa, olhando para os céus, procurando ver a “isca”, a isca que para mim seria, não sei porquê, um risco, um vestígio de alguma cor estranha… Neste mesmo contexto, ouvindo falar de bombardeamentos aéreos, um dia confundi a Lua, em fase de Quarto (Crescente ou Minguante), com uma bomba que pairava no ar, à espera de cair. Nada disse a ninguém mas apanhei um valentíssimo susto!

E assim foi a minha primeira infância!

J. M. S. Simões Pereira

CONSELHOS MATERNOS


SER PRODÍGIO E SER “ENCOLHAS”



- Que importa seres um prodígio, se fores um “encolhas”?


Esta questão foi-me posta por minha mãe, teria eu uns 15 anos. Expliquemos: eu era um aluno brilhante na escola que frequentava, com classificações altíssimas em todas as disciplinas, exceto no desenho livre. Era realmente considerado um aluno prodigioso. Mas – e aqui está um defeito que a minha mãe não tolerava – era muito tímido! Ser encolhas era e é uma expressão popular que significa ser tímido.

E qual a razão pela qual eu era tímido? As raízes dessa timidez estão num pequeno incidente, tinha eu uns 5 anos. Uma amiga de uma tia minha, a minha saudosa tia Alcina, casada com o meu tio Rui, irmão da minha mãe, trouxe-me um pequeno presente, talvez de aniversário. Eu já sabia agradecer; e por isso entrei na sala onde a dita senhora estava conversando com a minha mãe e disse-lhe: - Muito obrigado!

A referida senhora rebentou num grito despropositado, acompanhado por uma espécie de gargalhada: - “Ai coitadinho, já sabe dizer obrigado!” E voltando-se para mim, acrescentou: - Mas o presente, não sou eu que to dou! Vem da tua tia Alcina!

Eu achei que aquele grito horrível e aquele “coitadinho” eram um insulto e fiquei a partir daí com uma terrível inibição! Realmente, “coitadinho de mim!”.

Não se lembrando desta história ou até talvez desconhecendo-a totalmente, a minha mãe queria, mais tarde, fazer de mim um jovem desenvolto, um “homem da sociedade” como ela dizia, conhecedor das regras de convivência usadas na alta sociedade de então. O que exigia, obviamente, que eu não fosse tímido; na alta sociedade era preciso saber entrar com passo firme e cabeça erguida embora sorrindo ligeiramente – só ligeiramente, sublinhe-se – num qualquer salão… As senhoras casadas cumprimentavam-se de beija-mão! As solteiras, não, claro! E saber beijar a mão das senhoras com elegância, sem sugerir – nem de longe – subserviência era uma arte que tínhamos de aprender, nós os meninos das famílias da tal alta sociedade. E é que, quando a minha mãe me interpelou como acima refiro, havia meninos que já o faziam muito bem. Mas eu, ainda não!

Por todas estas razões, resolvi mesmo deixar de ser “encolhas”. Metodicamente, organizei um esquema para ir vencendo os obstáculos que me impediam de ser desenvolto: escrevia mesmo um diário onde apontava as experiências, os episódios, os meus progressos e fracassos. Encontrei há tempos esse diário no meio de velhos papéis. Talvez seja um documento para estudos de Psicologia. O essencial é que venci, talvez não possa dizer a cem por cento, pois ainda hoje há momentos em que me desagrada atuar; mas são muito poucos, e, em geral, até há quem me acuse de falar demais!

Sou pois um caso de um “encolhas” que virou “descarado”! Prodígio é que infelizmente já não sou: competente e honesto na minha profissão, isso sim, sem dúvida, mas génio, de facto, não vim a ser!



quinta-feira, 22 de junho de 2017

Sou uma Celebridade! Sou um famoso!

Este poster é dirigido a três pessoas que entram infinitas vezes neste blog e que me conhecem pessoalmente, mas que pretendem esconder a sua identidade.  


Orgulha-me imenso - a sério que me orgulho! - que certas pessoas que vivem em certas localidades um bocado até afastadotas de onde eu vivo entrem desesperadamente nos meus blogues.

Querem saber tudo sobre mim. Não se me dirigem habitualmente, não me dão notícias delas, mas seguem-me aqui.  

Muito bem! Sinto-me uma celebridade, um famoso: como acontece com as celebridades, há quem queira saber onde passei a tarde ou a manhã, onde tomei o pequeno-almoço e onde jantei, se andei de calças, de calções ou – quem sabe? – de cuecas...

Pobres pessoas que assim se diminuem!

Preocupam-se tanto comigo que a vida própria delas fica para trás: é claro que depois têm de se pendurar nos que trabalham!

Boa noite, boa tarde ou bom dia, conforme a hora no sítio onde está a ler-me!




terça-feira, 21 de março de 2017

CONCEIÇÃO MENDES CORREIA DE LEMOS

Já em vários momentos da minha vida mencionei pessoas que me deixaram saudades: a minha tia-avó Conceição Mendes Correia de Lemos, o meu Pai, José Simões Pereira Júnior, e a Maria da Assunção Ferreira que foi uma espécie de ama para mim.

Da minha tia recordo uma afirmação que fez, como se me dissesse um segredo: 

“Ó Zé Manel, Zé Manel, o fim da vida é muito triste!” 

Foi quase uma confidência. Falava como pessoa que tinha vivido momentos alegres, pois só quem viveu momentos felizes pode compará-los com outros que o não foram! 



Quando jovem, tinha tido amigas com quem se divertiu, é claro que dançou, ouviu música, passeou… Mas eu já sabia, quando ela me falou, que também tinha tido perdas na vida: sem filhos, com duas irmãs falecidas, uma com uns trinta outra com uns quarenta anos, viúva, o irmão emigrante no Brasil num tempo em que não havia telemóveis, skypesemails, nem sequer carreiras aéreas diárias, pois era de barco que se viajava… 


Enérgica, administrava as suas fazendas acompanhando os trabalhadores rurais que as cultivavam, levantando-se às seis da manhã para ir a pé visitá-las, algumas a um ou até dois quilómetros de casa.

Por essa altura, ela tinha uma consciência clara da sua idade. Um dia, viajou connosco até à Figueira da Foz. Quando íamos regressar a Coimbra de onde ela seguiria depois para a sua casa em Travanca de Lagos, lembro--me de a ouvir apelar à sua veia poética e dizer: 

“Adeus, mar, até à eternidade!” 

  

Não sei se foi então que esteve realmente pela última vez à beira-mar; talvez até nem fosse; mas acompanhei-a sentindo um pouco da sua nostalgia.

E quantas incompreensões de sobrinhos ela sofreu, ela que tinha sempre a porta aberta para receber todos os que a procurassem! 

Era em casa dela, em Travanca, concelho de Oliveira do Hospital, na Beira Alta, que eu e minha mãe passávamos o mês de setembro mais uns dias no Natal, todos os anos, e era ali, na Beira, que nos reuníamos com primos nossos e outros sobrinhos dela, mas quantas vezes essas reuniões degeneravam em mal-entendidos! Nunca isso a levou a evitar a presença de todos!

Minha querida Tia Conceição, que bem que eu hoje te compreendo! 

Obrigado pelo que me ensinaste da vida, com a confidência que acima recordo e outras frases que te ouvi dizer: 
com a tua tolerância, a tua paciência, a coragem de manteres a tua convicção nos valores da família, pois tinhas consciência que não há ninguém perfeito, a abertura ao diálogo, a capacidade de sofreres por esses valores em que acreditavas. 
E a par com tudo o mais, recordo a amizade e gratidão que tinhas pelo meu pai, outra pessoa que, como digo, me deixou profundas saudades. Médico que era, várias vezes te tratou e te aconselhou, com a prudência e a humanidade que sempre o orientavam.


Agora sou eu que digo: – Adeus, tia, até à eternidade! 


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

SER VELHO SIM, SER SENIL NÃO!



SOU VELHO SIM!

Quando se chega à idade que hoje tenho, subitamente verificamos que alguns dos nossos companheiros da juventude já não vivem. É que esta verificação é mesmo súbita, ou, pelo menos no meu caso, foi assim: de repente comecei a tomar consciência que um certo João já cá não está, um tal José Marques também não, o Albertino que ainda há poucas semanas tinha encontrado, afinal também já não o voltarei a encontrar, o Manuel, que até era um aluno apagado mas chegou à cátedra na sua especialidade na mesma universidade onde eu trabalhava; a dimensão da nossa universidade é suficientemente grande para nunca termos sabido um do outro; mas, quando o redescobri, pensei logo em visitá-lo… tarde demais, tinha falecido na semana anterior! E isto tudo entristece um pouco. Como poderei recordar os momentos bons ou até os menos bons, que vivemos juntos? Como, ou melhor dizendo, com quem? Pois com eles já não o posso fazer e há tantas coisas que só com cada um deles poderia reviver.

Onde poderei ir buscar algum consolo? Direi que no uso destas lições da vida, irei procurar outros amigos de longa data, que ainda cá estarão; e vou fazê-lo obviamente enquanto eu próprio também ainda cá estou…

Doentito como eu era, na infância e na adolescência, e por esse motivo sempre a pedir e a ser dispensado das aulas de educação física na escola que frequentava e a passar os intervalos entre aulas sem brincar para não transpirar e cair numa crise de bronquite asmática, e eles, desportistas e saudáveis, correndo nos recreios e exercitando-se no ginásio, quem havia de dizer que eu sobreviveria a tantos deles?

Por isso, embora reconhecendo que já não sou jovem, vou agradecendo a Deus (ou ao destino, como dirão os não crentes) a minha presença neste mundo; e sentindo-me feliz por isso, apesar dos problemas que a vida me traz, a mim, como aliás a toda a gente, qualquer que seja a nossa idade.

Coimbra, 23 de janeiro de 2017

J. M. S. Simões-Pereira





DEUS, A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (*)


A Ciência e a Tecnologia são produtos do trabalho humano cuja inteligência foi posta a funcionar por Deus; Ciência e Tecnologia podem pois ser vistas como uma dádiva de conhecimento que Deus nos oferece através do nosso trabalho.

Para explicar melhor este meu ponto de vista, imaginemo-nos no tempo anterior a Gutemberg, quando a sobrevivência da documentação escrita estava nas mãos dos monges copistas. Acompanhemos um deles, meditando no seu trabalho e orando, ao fim do dia, antes de ir repousar. Pensava que, se Deus o ajudasse, conseguiria copiar as 500 laudas do livro que tinha à sua frente, não em 5 meses, como era habitual, mas em 5 semanas! O que, obviamente para ele e todos os seus contemporâneos, só por milagre seria possível.

Nessa noite, num sonho, Deus ter-lhe-á respondido à sua oração. Disse-lhe que tal milagre haveria de ocorrer, mas não na vida dele; consolou-o fazendo-lhe sentir que, ao copiar os livros que continham o saber humano do seu tempo e ao torná-los úteis aos estudiosos que os iriam usar para conhecer e ampliar um pouco mais esse mesmo saber, ele estava a contribuir para que o milagre que pedia viesse a acontecer no futuro.

Sentiu-se tranquilo e feliz o dito copista, não só pelo simples facto de Deus lhe ter respondido, como por lhe ter garantido que o milagre se realizaria. E veio, na verdade, a realizar-se! Não durante a vida do monge, mas séculos depois. Hoje, para copiar um livro de 500 páginas, não precisamos de 5 semanas, nem 5 dias, nem 5 horas, nem 5 minutos. Bastam uns 5 segundos! Porque enquanto os anos rolaram, Deus ensinou-nos – ou permitiu que nós descobríssemos – como realizar um tal milagre! Presentemente, todos nós conseguimos repeti-lo com alguns toques simples no teclado dos nossos computadores.

Assim a Ciência é um exemplo claro da colaboração entre Deus e a Humanidade. Quando o Génesis (3:19) repete a palavra de Deus a Adão “comerás o pão que obterás com o suor do teu rosto”, a interpretação tradicional entende-a como um castigo. Já há, porém, quem não a entenda assim: vi há tempos, a 25 de janeiro de 2014, um texto do filósofo João Maria Mendes no seu blogue janusonline.pt/2008/2008_4_1_1.html.  Tal como ele, embora numa perspetiva algo diferente, eu não entendo o trabalho como um castigo, mas sim como uma honra que Deus concedeu aos humanos. “Ao trabalhares para obteres o teu pão, estarás a colaborar Comigo…” teria podido acrescentar, às palavras de Deus, o autor-relator do Génesis. Porque certamente, como faz com as aves dos céus, as quais, como sublinha Mateus (6:33-44), “não semeiam nem ceifam” e, no entanto, não lhes falta o sustento, também connosco Deus podia fazer o mesmo. Mas não o faz!

Colaborar com Ele é, pois, uma distinção que nos honra e dignifica. E fazer Ciência, aumentar o conhecimento humano, é sem dúvida um esforço, minúsculo, sim, à escala divina… mas existente e visível, à escala humana, de aproximação nossa à Sua omnisciência.

Coimbra, 15 de janeiro de 2017

J. M. S. Simões-Pereira


(*) Veja também o meu livro “Convicções e Ceticismos”, Editora Luz da Vida, Coimbra, 2014 (capítulo 21).