sexta-feira, 18 de novembro de 2016

JANELAS DE INVERNO

As janelas que não são consertadas fazem goteiras nas casas! 

Prezada Sra Dra.

Acredite que não esqueço o tempo em que a considerei – e então disse-lho várias vezes – como a irmã que eu não tive, pelo carinho e apoio que sempre deu à minha mãe durante vários anos da velhice dela, e também pela ajuda profissional que nos prestou.

Agora, recorda-se por certo que há tempos a procurei e conversei consigo, para lhe pedir uma intervenção junto dos meus filhos.
Ao falarmos dos casamentos deles, perguntou-me, mas eu não lhe soube responder, o que tinha eu oferecido ao meu filho mais velho no dia do casamento.
É um facto que não costumo registar num caderno de “deve e haver”, à moda dos antigos merceeiros, os presentes que ofereço, pois nunca fico à espera das retribuições que, através de presentes que dou, possa vir a receber. Por isso, em geral, esqueço o que ofereço!

Mas por acaso encontrei hoje um cartão em que a minha nora se mostra extremamente sensibilizada com aquilo que lhes ofereci quando se casaram; em anexo, seguem fotocópias das duas páginas que ela escreveu. Não preciso de comentar.

Outra dúvida que me exprimiu foi sobre a minha vontade de vender (ou não) as propriedades legadas pela minha mãe.

Ora é certo que, na reunião dos herdeiros se discutiu o que fazer com elas e todos concordámos em que seriam vendidas.

Da crise que todos conhecemos e do óbvio entorpecimento de Coimbra tem resultado que a procura é mínima.

Mas mesmo assim tive uma excelente proposta para a compra das ruínas do Lagar da Boiça que muitos me dizem não valer mais que 10 ou 12 mil euros;
só que a interessada, após quatro meses de espera, desistiu, pela recusa dos meus filhos em mandar procurações a quem os pudesse representar na escritura de venda.

Isto apesar da minha insistência e de eu lhes ter enviado uma minuta em língua portuguesa para uma tal procuração.

Anexo-lhe dois documentos que falam por si.
O mesmo já aconteceu com outro terreno em Ceira, e até com as expropriações para a auto-estrada A13.

Espero que tenha assim ficado sem dúvidas sobre o motivo pelo qual pedi a sua intervenção junto deles.

Obviamente, respeito a sua decisão de não o querer fazer!

Mas sei que compreende o motivo do meu pedido.

Aceite os meus cumprimentos!

J. M. S. Simões Pereira





CARTÃO DE AGRADECIMENTO DA MINHA NORA!





0 comentários: